Entenda o tratamento que colocou Lewis Hamilton de volta às pistas no GP do Canadá

Hamilton afirmou que GP do Azerbaijão, no último domingo, foi o mais dolorido da carreira HAMAD I MOHAMMED/AFP - 12.6.2022 Quando os carros de Fórmula 1 começarem a rodar hoje nas pistas do circuito Gilles Villeneuve, em Montreal, no Grande Prêmio do Canadá, nenhum fã de Lewis Hamilton vai ficar triste com a ausência do heptacampeão do mundo. No último fim de semana, a participação do inglês foi colocada em dúvida por ele estar muitas dores nas costas, devido à forte trepidação de seu Mercedes durante o GP doAzerbaijão. Ele chegou a dizer que foi a prova mais dolorida de sua carreira e que rezou para a corrida terminar logo. Para conseguir competir nos próximos três dias, Hamilton passou por sessões intensas de fisioterapia e acupuntura, como ele mesmo admitiu nas redes sociais na última segunda-feira (13). "Ontem foi duro e tive alguns problemas para dormir, mas acordei me sentindo positivo hoje! As costas estão um pouco doloridas e machucadas, mas, felizmente, nada sério. Fiz acupuntura e fisioterapia e estou a caminho da minha equipe para trabalhar com eles em melhorar [o carro]", publicou o campeão. De acordo com Ana Paula Severino, enfermeira especialista em saúde integrativa, o uso de acupuntura deve ter sido determinante não só para diminuir as dores locais como também para que Hamilton acordasse com outro ânimo. “A acupuntura faz toda uma mudança na parte emocional e acontece o que chamamos de mudança de percepções. Possivelmente foi trabalhado primeiro a parte emocional, tanto que ele já levantou e falou: eu estarei lá no fim de semana”, afirma a especialista. Com uso de agulhas, cristais programados ou sementes colocados em “alguns pontos do corpo, chamados de meridiano, onde a energia fica acumulada, conseguimos atuar tanto nas dores físicas quanto na parte emocional”, explica Ana Paula. “O corpo sente tudo o que a cabeça pensa”, ressalta a enfermeira. Baseada nessa conduta, a acupuntura pode ser feita localizada nos pontos mais doloridos do paciente para levar a melhora rápida, mas paralelamente os pontos que mexem com as questões emocionais precisam ser estimulados para que a cura seja prolongada. “A gente sabe que pode acontecer a dor nas costas devido a algo pontual, mas a gente carrega muitas coisas e, às vezes, temos dores e não sabemos o porquê. Então, é importante que a gente libere a energia que fica estagnada nos meridianos para que o paciente tome outro rumo e mande outros estímulos para o próprio corpo”, diz Ana Paula. No caso de Hamilton, o tratamento foi associado com fisioterapia, que funcionou como um pronto-socorro que o colocará novamente dentro de um Fórmula 1. Todavia, a acupuntura pode ser usada sozinha, de acordo com o diagnóstico clínico, ou associada a outras áreas como nutrição, fonoaudiologia e cromoterapia. Mesmo sendo usado para aliviar as dores imediatas, a terapia deve ser feita em mais de uma sessão. Além disso, ela pode ser usada ao longo da vida para tratar diferentes pontos dos pacientes. “É importante a gente pensar que problemas de uma vida inteira não se resolve em apenas uma sessão, é importante pensar na continuidade. Em um determinado momento, há pacientes que têm alta, ou e talvez usem de uma forma mais espaçado. Tudo determinado pelo processo, pelo profissional. De acordo com a necessidade do paciente”, orienta Ana Paula. A acupuntura é uma técnica aceita pelos planos de saúde e oferecidas em algumas UBS (unidade básica da saúde) pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Veja também Saúde Como reduzir a pressão arterial? Estudo sugere doses diárias de ômega 3; saiba mais Saúde Entenda o que é a síndrome de Ramsay Hunt, que deixou o rosto de Justin Bieber paralisado Saúde Sofre com estresse no dia a dia? Isto acelera o envelhecimento do seu sistema imunológico

Entenda o tratamento que colocou Lewis Hamilton de volta às pistas no GP do Canadá
Hamilton afirmou que GP do Azerbaijão, no último domingo, foi o mais dolorido da carreira
Hamilton afirmou que GP do Azerbaijão, no último domingo, foi o mais dolorido da carreira HAMAD I MOHAMMED/AFP - 12.6.2022

Quando os carros de Fórmula 1 começarem a rodar hoje nas pistas do circuito Gilles Villeneuve, em Montreal, no Grande Prêmio do Canadá, nenhum fã de Lewis Hamilton vai ficar triste com a ausência do heptacampeão do mundo.

No último fim de semana, a participação do inglês foi colocada em dúvida por ele estar muitas dores nas costas, devido à forte trepidação de seu Mercedes durante o GP doAzerbaijão. Ele chegou a dizer que foi a prova mais dolorida de sua carreira e que rezou para a corrida terminar logo.

Para conseguir competir nos próximos três dias, Hamilton passou por sessões intensas de fisioterapia e acupuntura, como ele mesmo admitiu nas redes sociais na última segunda-feira (13).

"Ontem foi duro e tive alguns problemas para dormir, mas acordei me sentindo positivo hoje! As costas estão um pouco doloridas e machucadas, mas, felizmente, nada sério. Fiz acupuntura e fisioterapia e estou a caminho da minha equipe para trabalhar com eles em melhorar [o carro]", publicou o campeão.

De acordo com Ana Paula Severino, enfermeira especialista em saúde integrativa, o uso de acupuntura deve ter sido determinante não só para diminuir as dores locais como também para que Hamilton acordasse com outro ânimo.

“A acupuntura faz toda uma mudança na parte emocional e acontece o que chamamos de mudança de percepções. Possivelmente foi trabalhado primeiro a parte emocional, tanto que ele já levantou e falou: eu estarei lá no fim de semana”, afirma a especialista.

Com uso de agulhas, cristais programados ou sementes colocados em “alguns pontos do corpo, chamados de meridiano, onde a energia fica acumulada, conseguimos atuar tanto nas dores físicas quanto na parte emocional”, explica Ana Paula.

“O corpo sente tudo o que a cabeça pensa”, ressalta a enfermeira. Baseada nessa conduta, a acupuntura pode ser feita localizada nos pontos mais doloridos do paciente para levar a melhora rápida, mas paralelamente os pontos que mexem com as questões emocionais precisam ser estimulados para que a cura seja prolongada.

“A gente sabe que pode acontecer a dor nas costas devido a algo pontual, mas a gente carrega muitas coisas e, às vezes, temos dores e não sabemos o porquê. Então, é importante que a gente libere a energia que fica estagnada nos meridianos para que o paciente tome outro rumo e mande outros estímulos para o próprio corpo”, diz Ana Paula.

No caso de Hamilton, o tratamento foi associado com fisioterapia, que funcionou como um pronto-socorro que o colocará novamente dentro de um Fórmula 1. Todavia, a acupuntura pode ser usada sozinha, de acordo com o diagnóstico clínico, ou associada a outras áreas como nutrição, fonoaudiologia e cromoterapia.

Mesmo sendo usado para aliviar as dores imediatas, a terapia deve ser feita em mais de uma sessão. Além disso, ela pode ser usada ao longo da vida para tratar diferentes pontos dos pacientes.

“É importante a gente pensar que problemas de uma vida inteira não se resolve em apenas uma sessão, é importante pensar na continuidade. Em um determinado momento, há pacientes que têm alta, ou e talvez usem de uma forma mais espaçado. Tudo determinado pelo processo, pelo profissional. De acordo com a necessidade do paciente”, orienta Ana Paula.

A acupuntura é uma técnica aceita pelos planos de saúde e oferecidas em algumas UBS (unidade básica da saúde) pelo SUS (Sistema Único de Saúde).